| 3 comentários ]

Foi divulgado recentemente no site oficial da CONAMAD uma nota de esclarecimento, de autoria do Pastor e Deputado Federal João Campos, defendendo a si próprio e também o líder máximo da Convenção Nacional das Assembléias de Deus no Brasil - Ministério Madureira, Bispo Manoel Ferreira do suposto envolvimento com o reverendo Moon, líder da seita "Igreja da Unificação. Confira este esclarecimento na íntegra.

Câmara dos Deputados

Nota de Esclarecimento

Esclareço que a notícia, veiculada via internet, dando conta de minha presença na Conferência Internacional de Liderança, em Washington, E.U.A. no período de 08 a 11 de agosto deste ano, juntamente com o Deputado Federal Bispo Manoel Ferreira, se deu por designação da presidência da Câmara dos Deputados (Of. nº 1978/08/GP/MA) face à natureza do tema proposto: "Um Paradigma de Liderança e Bom Governo para o Desenvolvimento Global e a Paz."

Quanto a Federação para a Paz Universal (UPF), entidade promotora daquela Conferência, conta ser uma ONG reconhecida pela ONU, com sede em Nova York, Estados Unidos, tendo como objetivo a construção de uma rede global de líderes que representem a diversidade étnica e religiosa tendo em vista a superação de barreiras, conflitos e preconceitos para consolidação da paz entre todos os povos. Portanto, verifica-se que a Federação é uma entidade distinta da Igreja da Unificação, fundada pelo Rev. Moon, que, por meio da mesma, dissemina sua doutrina.

Àquela Conferência compareceram representantes governamentais, líderes religiosos e acadêmicos, representantes da sociedade civil de várias nações, destacando-se, ainda, no Brasil, o Apóstolo Doriel de Oliveira, fundador e presidente da Igreja "Casa da Benção", e seu filho o Deputado Distrital Rubens César Brunelli.

A paz não é um dogma ou uma doutrina, monopólio de uma religião, de um segmento social, de uma nação, ou de uma raça; a paz é um bem imaterial de valor inestimável que deve ser buscada e promovida por todas as pessoas em todas as partes do mundo dentro de uma perspectiva de diálogo, respeito, tolerância, ausência de sectarismo e de preconceito dado à diversidade de raça, cor, religião, crença e cultura. Certamente, nós, cristãos evangélicos, deveremos ser os primeiros a exercer esse tipo de atitude, pois o Senhor Jesus disse: "Bem-aventurados os que promovem a paz".

Creio, portanto, que a religião deve ser promotora da paz, entendimento também adotado pela ONU-Organização das Nações Unidas que, desde 2000, com a Cúpula do Milênio de Líderes Religiosos pela Paz Mundial, vem apoiando o diálogo inter-religioso no mundo.

Eu e o Bispo Manoel Ferreira não apoiamos nem nos associamos à doutrina do Rev. Moon, ensinada através da Igreja da Unificação, mas, como cidadãos defensores dos princípios democráticos, respeitamos a diversidade religiosa. Isso não significa abrirmos mão de nossa fé, das doutrinas bíblicas, da mensagem do evangelho, pois disso não abriremos mão nunca.

Lamento que o Senhor Júlio Severo (não o conheço) tenha noticiado minha participação na referida Conferência Internacional de Liderança, pela internet, emitindo sua opinião de forma apressada e com maldade. O ensino bíblico de chamar o irmão em particular não foi observado, todavia, verifica-se o ânimo de expor e causar constrangimento a mim, ao Bispo Manoel Ferreira, ao Apóstolo Doriel de Oliveira, ao Deputado Distrital Rubens César Brunelli, e desacreditar a Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional, que honrosamente, presido neste ano de 2008.

Rogo a Deus que dê ânimo e disposição às pessoas para noticiarem, com boa vontade, as diversas ações desenvolvidas pela Frente Parlamentar Evangélica. Estranha-me, por exemplo, o fato de através da Frente Parlamentar Evangélica trmos articulado com o segmento Católico e com o segmento Espírita a estratégia para derrotarmos os projetos que pretendiam legalizar o aborto no Brasil, a ponto de termos realizado uma marcha conjunta na Esplanada dos Ministérios, aqui em Brasília, contra a legalização do aborto, e ninguém ter disseminado esta notícia na internet nos censurando e insinuando que, face a isso, estamos apoiando Alan Kardec e seu ensinamento ou apoiando a doutrina católica. Todavia, louvo a Deus, pois a estratégia deu certo e os projetos foram rejeitados.

Ora, tanto neste caso (legalização do aborto) quanto naquele (promoção da paz) ninguém está colocando em jogo suas convicções doutrinárias e religiosas.

Que Deus tenha misericórdia daqueles que nos julgam apressadamente.

Rogo em meu favor e de todos os que compõem a Frente Parlamentar Evangélica.

Brasília-DF, 19 de novembro de 2008

Pastor João Campos
Deputado Federal

Veja o documento em PDF

Por Amenidades da Cristandade

Respeite os direitos autorais! Ao reproduzir este texto, cite as fontes, inclusive as intermediárias!

3 comentários

rev. Digão disse... @ 5 de dezembro de 2008 18:46

Falou, falou, mas não disse nada. Ou melhor, traduzindo do politiquês gospel para o português: fomos sim, e daí, ninguém tem nada com isso!

elcio disse... @ 8 de dezembro de 2008 14:32

Nao adianta explicar agora , somos crentes mas nao somos Bobos!!!!
o grande procura eh por dinheiro doRev Moom!!!!!

Anônimo disse... @ 30 de setembro de 2010 14:57

e ai "irmão" João Campos, eu fui 30 anos da Assembleia de Deus Madureira e nunca vi o ensino Bíblico de Mt. 18 ser observado (chamar o irmão em particular). Só exclusão e perseguição. Quem é voce para dizer que esse ensino deve ser observado agora, porque é a sua posição e reputação que esta em jogo??????????????? o que esta sendo feito não é para causar constrangimento a quem quer que seja, mas para orientar os cristãos em geral sobre os caminhos que certos lideres estão conduzindo suas ovelhas.

Postar um comentário