| 8 comentários ]

A revista veja desta semana publicou uma matéria sobre a menina Lucélia, acusando algumas pessoas de terem explorado o drama da menina, e colocou entre estes "exploradores" a líder do Diante do Trono, Ana Paula Valadão e a intercessora do ministério, Ezenete Rodrigues. Confira a matéria publicada por Veja.

Dor sem hora para acabar

Libertada de um apartamento onde era submetida a abusos e tortura, Lucélia virou ícone da luta contra a violência infantil mas continua sem uma família

Ana Beatriz Magno

INFÂNCIA COMPROMETIDA
Lucélia Rodrigues aguarda adoção em um abrigo para menores abandonados de Goiânia: medo de reencontrar a madrasta. (Foto por Ana Araujo)


Lucélia Rodrigues da Silva, 13 anos, mostra quatro buracos talhados com alicate nas laterais da língua, aperta as mãos suadas pelo nervosismo e fala sobre a marca do ferro de passar eternizada nas nádegas. A platéia de operários silencia. Um homem de macacão azul pergunta à menina sobre o futuro. A tutora da garota pega o microfone, conta que uma pop star gospel ficou comovida com o martírio da criança e revela que a empresária da artista vai adotá-la. Lucélia ri. Foi seu único sorriso na manhã da terça-feira 21 de outubro diante de um auditório apinhado de curiosos, na sede da fábrica de rosquinhas Mabel, em Aparecida de Goiânia. A firma é uma das maiores produtoras de biscoito do país. Tem 2 500 funcionários, fabrica toneladas de biscoito por dia e pertence ao deputado federal Sandro Mabel (PR-GO), o mesmo que há três anos freqüentou o noticiário durante o escândalo do mensalão. A menina desconhece o passado do político. O político conhece o passado da menina. Enquanto Mabel se desdobrava para driblar as acusações de mensaleiro, Lucélia era brutalizada pelas mãos de uma empresária a quem sua mãe biológica a entregara em troca de algumas cestas básicas. Durante horas, ela respondeu às perguntas da platéia, revivendo os piores momentos de seu martírio. O que Lucélia fazia numa fábrica de biscoitos?

"Trouxe a garota para ela dar uma arejada", explica a pedagoga Maria Cecília Machado, diretora do Centro de Valorização da Mulher (Cevam), mistura de pronto-socorro e esconderijo de vítimas de violência. Em março passado, a polícia libertou Lucélia de uma masmorra doméstica. Sílvia Calabresi Lima, a empresária que prometera encher a criança de amor, carinho e mimos, encheu o corpo de Lucélia de hematomas. Durante quinze meses, a empresária arrancou as unhas da menina no batente das portas, socou seus dentes, obrigou-a a comer baratas, ração e fezes de cachorro. "Ela dizia que era o meu remedinho e que era para eu tomar porque o diabo morava em mim", lembra a garota, encontrada pela polícia amordaçada e amarrada no teto de um cubículo. Sílvia está presa. Lucélia saiu do cativeiro para as páginas dos jornais, sensibilizou o país e virou uma espécie de celebridade – um ícone da luta contra a violência infantil. Tanto que, na convenção do PT que antecedeu as eleições municipais, em Goiânia, Lucélia estava lá, ao lado dos candidatos, vestida com uma camisa do partido, festejada como "companheira" Lucélia. Mas o que Lucélia fazia num comício?

ABUSO EM SÉRIE
A menina narra seu sofrimento a uma platéia de operários e participa de um comício do PT. (Fotos por Ana Araujo e Sergio de Pinho/DM)


O juiz da Infância de Goiânia, Maurício Porfírio Rosa, mandou abrir uma sindicância para saber como e por que a menina, sob a guarda e a responsabilidade do estado, deixou o abrigo e faltou à escola para participar de uma reunião política. Maria das Dores Dolly, que trabalha há cinco anos no Cevam, autora de vários projetos sociais reconhecidos e premiados, explica: "De fato, levei Lucélia ao encontro. Foi uma mancada. A gente passou rapidamente pela convenção. Entregaram uma camiseta a ela, e ela vestiu. Dei bobeira". O Cevam – uma organização não-governamental sem fins lucrativos que acolhe setenta crianças, mulheres e adolescentes vítimas de violência – é uma referência no estado. "O mais importante agora é que temos de encontrar uma família para Lucélia. Ela não pode mais ficar aqui. Sete meses é muito tempo. Abrigo não é casa", completa. Lucélia, ainda assim, acredita que sua história está perto de produzir um capítulo feliz. Em agosto, a pastora e cantora evangélica Ana Paula Valadão, 32 anos, estrela de shows gospel, estava em Goiânia, soube do caso da menina e pediu para conhecê-la. Com autorização da Justiça, Lucélia foi levada a Belo Horizonte, cidade-sede da Igreja Batista da Lagoinha, fundada pelo pai de Ana Paula. A garota voltou de lá convencida de que, finalmente, encontrara um lar.

"Ao abraçar aquela menina eu não queria mais soltar. Foram momentos tão preciosos para mim, tocando alguém que já sofreu tanto, ministrando o amor de Jesus ao seu coraçãozinho. Ali, pudemos orar por ela, pois há muito a curar em sua alma. Cremos realmente que o Senhor a libertou", escreveu depois Ana Paula em seu blog. "Vou ter uma família", planeja Lucélia, enquanto cantarola o Rap da Família, uma das composições musicais da pastora Ana Paula – "Que bom é ter uma família/ família abençoada por Deus/ Papai, mamãe e filhos todos sempre unidos buscando a Deus". Em sua passagem pela capital mineira, a menina ficou hospedada na casa de Ezenete Rodrigues, também pastora e principal assessora da cantora gospel. "Ela disse para mim que ia me adotar. Eu me converti em Jesus. Preciso corrigir meu gênio", diz a garota. A promessa de adoção, ao que parece, não é tão certa assim – e nem poderia, já que existe um longo caminho judicial antes de o processo começar. "Se eu pudesse, adotaria todas as crianças sofridas do mundo", desconversa Ezenete. O que então Lucélia foi fazer em uma igreja de Belo Horizonte?

ESTRELA GOSPEL
A pastora Ana Valadão passou uma temporada com Lucélia: por enquanto, apenas para gravar um clipe. (Foto por Lailson Santos)

"Aqui, ela foi tocada por Jesus e conheceu nosso trabalho religioso", explicou Ezenete. A pastora Ana Paula colocou em seu site uma foto sua abraçando Lucélia e gravou um clipe gospel com a participação da menina, que será lançado em breve. "Aqui em Goiânia é muito difícil esquecer. Tenho medo de encontrar Sílvia. Fico pensando nisso o tempo todo. A dor não sai de dentro de mim. Por isso, eu queria muito ir para Belo Horizonte. Queria ser pastora. Queria ser outra pessoa", diz a garota, já crente de que sua tragédia não é fruto apenas da perversão humana dos adultos. "A culpada fui eu. Eu, que não estava tocada por Jesus." No abrigo, Lucélia recebe visitas, presentes, mensagens de solidariedade, mas, ao menos oficialmente, ninguém ainda se dispôs a adotar a menina. Na semana passada, o juiz Maurício Rosa autorizou Lucélia a comemorar seu aniversário de 13 anos em companhia das pastoras evangélicas mineiras. Foi uma promessa feita a ela depois da gravação do clipe. Outra notícia boa é que a Justiça condenou a madrasta torturadora a pagar uma indenização de 300.000 reais à garota. Coincidência ou não, os pais de Lucélia, aqueles que a trocaram por comida, já se candidataram a receber a filha de volta. "Essa menina viveu vários ciclos de abandono. Foi abandonada pela mãe. Tinha uma expectativa com a madrasta e de novo foi abandonada. Depois que ela foi libertada do cativeiro, a sociedade também a abandonou. E agora, caso essa perspectiva de adoção não se confirme, há um enorme risco de frustração, e mais uma vez ela pode reviver o abandono", diz a psicóloga Ivânia Ghesti-Galvão, doutora pela Universidade de Brasília.

Fonte: Veja

8 comentários

sonia paula disse... @ 28 de novembro de 2008 00:34

vcs da revista veja tem q tomar vergonha na cara!!!

principalmente essa reporter q fez essa entrevista d muito mal gosto

vcs deviam olhar e ver q amenina esta bem (lucelia)

na verdade vcs morrem de inveja

vai procurar o q fazer !!
e pare d criticar pessoas de bem

como ana paula valadão e ezenete !!

Anônimo disse... @ 15 de março de 2009 19:16

isso não seria verdade Ana Paula não faria isso

josadaque disse... @ 31 de julho de 2009 13:09

vcs da revista veja nao tem mas o que vender , vão fazer reportyagem de rua...tomem vergonha na cara...pobre mortal voce da ravista veja nao sabe que a inveja faz mal.estou indignado e decepcionado nao compro mais a revista.

Anônimo disse... @ 21 de janeiro de 2010 15:58

Estão sempre cavando algo para distorcer, e falar mal dos cristãos!!!
Achei horrível essa reportagem! Se querem falar mal, pelo menos tenham assuntos mais sólidos! Esse não colou!
Vão falar mal de quem realmente faz mal para a sociedade, e não de quem quer ajudar! Por favor!!! "Senhor, perdoa-os porque eles não sabem o que fazem."

Elen Gomes disse... @ 29 de março de 2011 21:35

Estrela gospel? vcs incredulos q dizem, porq nem a mesma se intitula assim e na verdade Ana Paula Valadão sempre tranferiu a honra para quem é dgno, Jesus. Estrela sim q brilha no reino de Deus,sal da terra, princesa, eleita, escolhida...q Deus continue fazendo dessa mulher um canal seu estravagante de bençãos. Pura perseguição na qual os autores verão seu prórpio fim. Se arrependam e vivam pra Deus e deixaram de serem perseguidores a perseguidos, salvos em Jesus. Jesus ama vcs e eu tbm bjks♥

Anônimo disse... @ 30 de junho de 2011 16:44

POis é o tempo passou e provou que a revista é que gosta de explorar o nome de pessoas "famosas" como o de Ana Paula para vender. Pois hoje constata-se fato a adoçao da menina por Ezenete Rodrigues. E só para alertar aos editores e autor desta reportagem, é bom tomar cuidado ao se levantar falsos a respeito de pessoas ungidas por Deus.

Anônimo disse... @ 14 de maio de 2012 09:39

Vc's desta revista e em especial essa reporter, deveria prestar atenção na reportagem q ela fez, pq em momento algum, essas mulheres de Deus usaram a imagem dessa criança, pelo o contrario, elas falaram do amor de Deus para ela e a propria menina fala, q encontrou um caminho melhor, q é os caminhos do Senhor!As pastoras Ana Paula e Ezenete, são mulheres ungidas pelo o Senhor e vemos a cada dia Deus na vida delas.
Deus abençoe a Ana e a Ezenete!!

Juliarde disse... @ 19 de julho de 2012 09:52

Todo o comentário desta "revista" é porque Ana Paula Valadão é pastora evangelica! Se não fosse esse "título" que a sociedade coloca ninguém teria comentado nada. Aposto que se fosse qualquer outra pessoa que tivesse levado a garota para sua casa, ou sua cidade, a midia teria tratado isso como um caso rotineiro. Talvez estivessem até malhando o pau nas leis da adoção, lamentando a burocracia, e dizendo que se o processo de adoção não fosse tão demorado o "fulano" já teria adotado a criança!!!
Mas como se trata de "evangelico" a imprensa malha o pau, tentando reverter o caso, trazendo a culpa é claro para Ana Paula Valadão e ministério.

Postar um comentário