| 2 comentários ]

Reproduzimos aqui a entrevista concedida pelo líder da Igreja Internacional da Graça de Deus, o missionário R.R. Soares, ao programa do Jô, na rede Globo de televisão há alguns anos atrás.

Confira a entrevista dividida em duas partes, onde Jô pergunta sobre a participação do missionário na fundação da Igreja Universal do Reino de Deus, as curas milagrosas que acontecem na igreja e os pedidos de contribuição aos chamados "associados". Veja:


2 comentários

Bruno Machado disse... @ 17 de setembro de 2008 18:50

Sou da Assembléia de Deus da Penha, mas isso não me deixa eleger R.R Soares como o maior pregador do Brasil, pois a sua pregação é entendida tanto pelo maior filósofo como por um analfabeto... Homem de Deus de verdade...

PASTOR DAVIDSON disse... @ 27 de setembro de 2008 22:32

Protocolarizado o Manifesto de protesto e impugnação ao processo de escolha da Comissão Eleitoral na Reunião da Mesa Diretora realizada em 31/03/2008, através do qual foi postulado novo sorteio com os adornos da formalidade e publicidade, nesse exato momento instalou-se um procedimento administrativo que inexoravelmente impõe a apreciação da mesa diretora, com desfechos, inclusive, de sindicâncias para apuração.

Ora, se o ato de impugnação com denúncias de irregularidades era objeto de sindicância junto a CGADB, o fato do Pr. Silas Malafaia ter lançado sua avassaladora opinião sobre o assunto em seu programa televisivo exibido em 07/06/2008 pela Rede TV, parece-me corresponder uma INGENTE FALTA DE ÉTICA.


Penso que não poderia jogar seus holofotes sobre a matéria, formando, inclusive, opinião de massa, quando a rigor deveria ter reservada sua opinião até pelo cargo que ocupa na instituição, certo é que levou a público ocorrência que era objeto de apuração interna, e ao apregoar suas pessoais convicções sobre o tema, colocou a CGADB em descrédito público, bastando ver e ouvir o que ele com sua peculiar veemência disse.

Doutra parte, é antiga e consagrada regra de que na Administração Privada vigora o princípio do sigilo e do segredo, exatamente oposto ao principio da publicidade que vige na Administração Pública. A CGADB não é uma instituição pública, ela é privada, e seus atos internos são protegidos pelo véu do sigilo à luz da norma do art. 5º, incisos X e XII da Constituição Federal.

No meu sentir, os sites e blogs que ficam veiculando as críticas do Pr. Silas e as cópias dos vídeos em apresenta sua aética verbalização, repetem o desastre e continuam maculando nossa CGADB;
Pr. Davidson G. Vieira

Postar um comentário